Modelar a Metrópole Governo do Estado do Rio de Janeiro The World Bank Group

Notícias

Acordo com governo federal abre caminho para implantação do PDUI

11 de setembro de 2017

Exatamente no momento em que a Câmara Metropolitana do Rio se prepara para apresentar o PDUI/RMRJ e seus Programas de Ações Prioritárias, PAPs, uma luz surge no fim do túnel escuro pelo qual atravessa a economia do Rio de Janeiro. O acordo financeiro assinado em Brasília no dia 5 de setembro entre estado e União permitirá ao governo do Rio obter empréstimos para colocar suas contas em dia num prazo de 30 dias, incluindo o pagamento de salários e pensões.

Assinado pelo governador Luiz Fernando Pezão durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, o plano de recuperação fiscal do Rio é formado por quatro pilares: medidas de aumento de receitas, redução de despesas, concessão de empréstimos e suspensão do pagamento das dívidas estaduais com a União. O Ministério da Fazenda estima que o esforço de arrecadação dará ao estado uma receita adicional de R$ 1,5 bilhão em 2017, de R$ 5,2 bilhões em 2018, de R$ 6,5 bilhões em 2019 e de R$ 9,4 bilhões em 2020. Em quatro anos, o total somado será de R$ 22,6 bilhões.

De acordo com o que foi apresentado no Caderno Metropolitano 4 para a evolução da economia da região durante o período do PDUI, que será de 25 anos a partir de sua implantação, o esperado é que os municípios, puxados pelo estado, comecem a dar sinais de recuperação a partir de 2020, com maior controle das contas públicas. Os municípios poderiam assim recuperar a capacidade de realizar investimentos diretos de baixa intensidade já em 2025, quando o PIB médio metropolitano retornaria ao registrado em 2010. No entanto, o documento deixa claro que o cenário apontado depende de uma maior ação dos governos municipais, da melhoria da gestão pública e de ações conjuntas com o governo do estado no combate às crises fiscal, financeira, política e de confiança.

Para o presidente do Instituto Pereira Passos, Mauro Osório, a crise econômica do Rio de Janeiro vinha se apresentando como um entrave para a implantação do PDUI, fato que passa a ser revertido com a assinatura do plano de recuperação. “Enquanto não sairmos dessa crise fiscal, não vamos a caminho algum. E a única solução é a participação do governo federal”, afirmou Osório.

Outras Notícias

Receba as últimas novidades sobre o plano